Procurar
Publicidade

Ordem lamenta atraso na contratação de nutricionistas

Ordem lamenta atraso na contratação de nutricionistas

A Ordem aplaude as novas regras de venda de alimentos nas escolas e lamenta o atraso na contratação de nutricionistas.

A bastonária da Ordem dos Advogados, Alexandra Bento,  afirma que as medidas não podem ser “indissociadas do atraso “estrondoso” na contratação de nutricionistas para Ministério da Educação”.

A Ordem dos Nutricionistas reforça que os “bufetes e máquinas de venda automática das escolas públicas passam, já a partir do novo ano letivo, a respeitar novas regras que limitam a disponibilização de produtos prejudiciais à saúde. Para a Ordem dos Nutricionistas esta determinação, já prevista no Orçamento do Estado para 2020, é extremamente positiva ao colocar a escola no centro de ação para a promoção da alimentação saudável, no entanto, lembra que continua em falta a abertura do concurso para a contratação de 15 nutricionistas para o Ministério da Educação, também prevista no Orçamento do Estado para 2020”.

A instituição recorda que “ambas as medidas, incluídas no Orçamento do Estado para 2020, têm como objetivo promover uma alimentação adequada para os mais novos, bem como um estilo de vida mais saudável”.

Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas. sublinha que ambas as medidas “são absolutamente indissociáveis”.

“Restringir a venda de géneros alimentícios menos saudáveis deve ser acompanhado com programas de apoio à promoção da alimentação adequada, o que implica investir na contratação de nutricionistas”, acrescenta Alexandra Bento.

A Ordem destaca que a  “contratação de 15 nutricionistas para o Ministério da Educação estava prevista no Orçamento do Estado de 2020″.

 “Por inação ou falta de interesse do Governo, estamos há um ano a aguardar a mera abertura do concurso”, avança a bastonária da Ordem dos Nutricionistas.

A instituição avança, ainda, que o “despacho n.º 8127/2021, publicado em Diário da República esta terça-feira, 17 de agosto, contempla ainda que as regras de disponibilização de alimentos nas escolas públicas devem ser acompanhadas por programas de apoio à promoção e educação para a saúde, desenhados em articulação com as autoridades de saúde”.

A este respeito a bastonária da Ordem dos Nutricionistas realça que “não se compreende como se poderá levar a efeito este objetivo, pois o número de nutricionistas nos serviços públicos de saúde e nas autarquias é manifestamente insuficiente”.

Partilhe nas Redes Sociais

Em Destaque

Artigos relacionados

Publicidade

Contribua já:

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2

Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Procurar
Close this search box.
Publicidade

Estamos a melhorar por si, Novum Canal, sempre novum, sempre seu!

Publicidade

Publicidade

Estamos a melhorar por si, Novum Canal, sempre novum, sempre seu!

Publicidade