EM DIRETO
Fechar X
ASSISTA AGORA
EM DIRETO
EM DIRETO
Publicidade

CDS-PP questiona Governo sobre anunciada “campanha permanente” de rastreio à Covid-19 nas escolas

O CDS quer saber quando terá início a anunciada “campanha permanente” de rastreio à Covid-19 nas escolas.

Em comunicado enviado ao Novum Canal, os centristas recordam que no dia 11 de dezembro, a Assembleia da República aprovou uma resolução do CDS que recomendava “ao Governo que, em conjunto com Direção-Geral da Saúde, desenvolva um programa de rastreio, através de testes antigénios (no caso de sintomáticos) e testes moleculares, por amostragem, a realizar durante todo o ano letivo, e enquanto a pandemia Covid-19 perdurar”.

Na nota de imprensa, o CDS-PP avança que esta segunda-feira, numa pergunta dirigida ao ministro da Educação, a deputada Ana Rita Bessa, questionou quando terá início a anunciada “campanha permanente” de rastreio à COVID-19 nas escolas, quais as entidades que colaborarão neste processo de testagem massiva e qual o plano e priorização de escolas e ciclos de ensino.

A deputada centrista, lê-se na nota que nos foi enviada, quer, ainda, saber se a testagem implicará autorizações por parte dos encarregados de educação, e se sim, como devem ser recolhidas e por quem.

“O Governo decretou que as escolas de todos os níveis de ensino devem manter-se abertas durante o novo confinamento, que começou na passada sexta-feira às 0h00, e que serão feitos testes ao SARS-CoV-2 aos alunos, professores e funcionários”, refere o comunicado aludindo a declarações do primeiro-ministro, em que António Costa disse que “as escolas terão uma “campanha permanente” de testes antigénio para despistar casos de infeção pelo novo coronavírus.

Ainda com base em declarações do primeiro-ministro, o CDS-PP recupera uma outra frase de António Costa a propósito dos rastreios à Covid-19 nas escolas, proferida no final da reunião do Conselho de Ministros, na qual ficou decidido que as aulas presenciais iriam continuar em todos os níveis de ensino.

 “Vamos acompanhar o funcionamento das escolas com uma campanha de testes antigénio de forma a podermos ir detetando casos não detetados de eventuais contaminados”, recordando que o “primeiro-ministro disse ainda que o processo de campanha de testagem está neste momento a ser articulado entre os ministérios da Saúde e da Educação”.

Os centristas aludem, no mesmo comunicado, a declarações proferidas, no dia anterior a este anúncio, pelo ministro da Educação, durante audição na comissão parlamentar de Educação, Ciência, Juventude e Desporto (CECJD), em que avançou “se esses testes existirem e puderem ser canalizados, obviamente serão bem-vindos e nós queremos recebê-los”.

O CDS-PP relembra que em outubro de 2020, a Direção-Geral da Saúde publicou a “Estratégia Nacional de Testagem” e que o Governo, então, “anunciou a realização de testes rápidos nas escolas (e outras instituições, como ERPI), o que acabou por não acontecer”.

“O CDS, na já mencionada audição regimental na CECJD, fez nota da importância de estabelecer como condição para a manutenção do funcionamento presencial das escolas, a aplicação de uma campanha massiva de testes”, refere a mesma nota de imprensa que esclarece que o CDS já tinha “apresentado o Projeto de Resolução nº 693/XIV sobre esta matéria, aprovado em plenário no dia 11 de dezembro p.p., mas, aparentemente, ainda sem qualquer aplicação por parte do Governo”, acrescentam os centristas.

Partilhe nas Redes Sociais

Em Destaque

Artigos relacionados

Publicidade

Contribua já:

IBAN: PT50 0045 1400 4032 6005 2890 2

Caixa de Crédito Agrícola Mútuo

Publicidade

Estamos a melhorar por si, Novum Canal, sempre novum, sempre seu!

Publicidade

Publicidade

Estamos a melhorar por si, Novum Canal, sempre novum, sempre seu!

Publicidade