Sábado, Agosto 8, 2020
CulturaPortoÚltima Hora

TNSJ “abre” a programação do Centenário com estreia de Castro

139visualizações

Castro, a partir da obra do poeta António Ferreira, é um espetáculo de muitas “primeiras vezes”. É a peça que “abre” a programação do Centenário do edifício do Teatro Nacional São João – projetado pelo arquiteto Marques da Silva – e é também a estreia de Nuno Cardoso, diretor artístico da instituição, na dramaturgia portuguesa. Além disso, Castro é o primeiro projeto da Casa a contar com a companhia de atores “quase” residente, apresentada este mês, e é ainda o primeiro espetáculo a materializar a política de descentralização que o TNSJ quer levar a cabo. A peça estreia-se a 5 de março, no Teatro Aveirense (Aveiro), estando em cena até dia 7 do mesmo mês.

Escrita em 1598, Castro é uma das obras pioneiras da tragédia clássica em Portugal. A peça, que se revela uma leitura particular do drama histórico/lenda/mito dos amores de Pedro e Inês, coloca-nos na intimidade concreta das personagens que se revelam cativas de si próprias e da sua irredutibilidade. Com uma modernidade e densidade intrínsecas, o espetáculo apresenta-se como um imenso palco-casa-país, espécie de maquete gigante dos espaços da ação, célula familiar primordial e claustrofóbica. Em Castro, como em A Morte de Danton – última produção própria do TNSJ, estreada em setembro de 2019 –, a questão da utopia (do amor, como da revolução) é crucial, expondo o amor/desejo e o poder como vício e caos.

Além do elenco “quase” residente – composto por Afonso Santos, Joana Carvalho, João Melo, Maria Leite, Mário Santos e Rodrigo Santos –, Castro conta também com as interpretações de Margarida Carvalho e Pedro Frias. A dramaturgia é assegurada por Ricardo Braun, sendo que os figurinos são assinados por Luís Buchinho. O espetáculo é para maiores de 12 anos e pode ser visto nos dias 5 e 6 de março, às 21h30, e no dia 7, às 16h00. O preço dos bilhetes é de 10 euros.

De regresso ao ponto de partida

No dia 7 de março, data em que se assinalam os 100 anos da inauguração do Teatro São João, Castro vai ser transmitida num ecrã na Praça da Batalha, na mesma hora em que estará a ser apresentada no Teatro Aveirense. Depois de uma passagem pelo Teatro Municipal de Bragança (11 de março), Teatro Municipal de Vila Real (14 de março) e Theatro Circo, em Braga (20 de março), o espetáculo “atraca” em Casa para celebrar o Dia Mundial do Teatro. Castro estará em cena de 27 de março a 19 de abril no TNSJ, com possibilidade de se assistir a uma récita em Língua Gestual Portuguesa e uma conversa pós-espetáculo.

 Vocação internacional em língua portuguesa

Durante os próximos meses, Nuno Cardoso estará a trabalhar com atores cabo-verdianos – que inclui também uma visita dos artistas a Portugal – para desenvolver uma versão crioula de Castro, reforçando a ligação cultural já anunciada com este território e que vai ao encontro da missão do TNSJ de promoção da língua portuguesa também fora de portas. KastroKriola terá uma pré-apresentação a 25 de abril no TNSJ e a 5 de julho estreia-se em Cabo Verde para assinalar o Dia da Independência do país.